O que é RPA?

Você sabe o que é RPA (Robotic Process Automation)? Trata-se de uma ferramenta voltada à automação cognitiva de processos, em que a mão-de-obra humana é substituída por um módulo de inteligência artificial que é capaz executar tarefas operacionais.

Essa inovação promete transformar por completo a organizações dos sistemas de informação em diversos segmentos, seja na indústria, no comércio ou no setor de serviços. Isso porque as aplicações dessa tecnologia são inúmeras e tem o potencial de otimizar quase todos os tipos de processos de trabalho.

Neste post, nos dedicaremos a analisar a fundo o que é o RPA, suas principais finalidades e como implementá-lo. Não deixe de conferir!

Conheça o que é RPA e o conceito de automação cognitiva

Como vínhamos falando, a RPA é um módulo de inteligência artificial extremamente funcional. E, para melhor compreender seu funcionamento, precisamos mobilizar o conceito de automação cognitiva, que se refere a capacidade de dominar um conhecimento tácito.

E o que seria um conhecimento tácito? Quanto a isso, devemos esclarecer que, ao longo da história, os computadores passaram a ser capazes de absorver conhecimento explícito, que é aquilo que pode ser expresso de forma escrita ou oral, sendo, portanto, programável.

Em um momento mais recente, os sistemas digitais passaram a operar sob a perspectiva do conhecimento tácito, que é aquilo que não pode ser transmitido por meio de dados e algoritmos, ou seja, não é passível de programação.

A evolução desse tipo de linguagem  vem permitindo o desenvolvimento do que se convencionou chamar de Robotic Process Automation, a RPA. Na prática, isso significa que os módulos android têm sido capazes de reproduzir comportamento quase humanos na execução de tarefas operacionais.

Tenha em vista que essa ferramenta pode ser programada para buscar padrões em pacotes de dados e assim cumprir determinados tipos de tarefa. Vejamos como exemplo os famosos robôs do mercado financeiro, que identificam tendências ao longo de determinado período em compra e venda de ativos.

Isso elimina, consideravelmente, o tempo dispendido em análises gráficas, atividade que serve ao objetivo de conhecer a real rentabilidade de algumas ações. Segundo financeiras e traders que se utilizam dessa tecnologia, a taxa de acerto dos robôs é formidável.

Conheça algumas aplicações dessa tecnologia

Há pouco falávamos de como o mercado financeiro se apropriou da RPA para operações de compra e venda nas bolsas de valores. Essa é apenas uma entre tantas possibilidades de aplicação da RPA.

Pequenas e médias empresas de todos os segmentos também tem um extenso “hall” de possibilidades que podem ser exploradas. Atividades de backoffice, principalmente, são um prato cheio para quem pretende otimizar processos e realocar parte do quadro de pessoal para atividades mais estratégicas.

Confira, a seguir, algumas das principais possibilidades de aplicação da RPA.

Chat bot

Certamente você já se deparou com chat bots em diversos sites institucionais ou redes sociais de empresas. Caso você não saiba do que se trata, estamos falando daquelas janelas de diálogo que se abrem sempre que estamos navegando por uma página, onde se pode ver o ícone de uma atendente virtual que lhe oferece alguma ajuda.

Esse serviço de “posso ajudar?” virtual nada mais é que um módulo android desenvolvido a partir de RPA. Mas como funciona esse sistema?

Como muitos podem imaginar, determinadas perguntas padrões relacionadas ao produto ou serviço oferecido pela empresa são vinculadas a um grupo de respostas. O que o bot fará é interligar as perguntas e respostas ao ler e interpretar um pacote de dados.

Atualização de perfil de clientes

Já imagicou manter sempre atualizado seu cadastro de perfil de clientes sem destacar nenhum funcionário para essa atividade? Essa é mais uma das funcionalidades da RPA.

Ao receber as informações dos clientes por meio de formulários online em seu site, a ferramenta de RPA fará, automaticamente, a entrada dos dados em um banco de informações cadastrais.

Geração de relatórios de conformidade

Muitas empresas apresentam como demanda a realização de conformidade de informações. Imagine, por exemplo, o processo de liquidação de uma nota fiscal eletrônica. Com a NF em mãos, os funcionários do setor financeiro realizam a conferência de todas as informações (especificação do produto/serviços, dados do fornecedor etc).

Em meio a esse processo, muitos sistemas informações são estruturados com módulos de validação dos dados. Suponhamos que em uma primeira etapa a nota fiscal deve ser inserida no sistema, o que inclui atribuir a ela os dados cadastrais do fornecedor.

Em outra etapa, há a verificação de disponibilidade financeira para execução da nota e o processo de transmissão de pagamento ao banco. Tudo isso, como já exposto, estruturado em um protocolo formado por várias etapas.

Ao aplicar uma ferramenta de RPA a esse processo, toda as etapas de conformidade citada dispensarão uma interface humana. Tenha vista que ao analisar o protocolo, o software em RPA poderá reportar qualquer inconsistência ou validar o processo, caso as informações estejam corretas.

Saiba como implementar o sistema

Agora que você já sabe o que é RPA e quais são suas aplicações práticas, podemos tratar do que é necessário para implementar esse tipo de sistema. Podemos resumir todo o processo em quatro etapas:

  1. Levantamento de demandas da empresa

A primeira etapa é bastante intuitiva e consiste em um levantamento das demandas de sua empresa. Para tanto, ao se reunir com sua equipe, comece demonstrando o que é RPA e como essa tecnologia pode fazer frente a atividades operacionais.

Após algumas discussões, faça um diagnóstico por setor e tente avaliar as possibilidades de inserção da ferramenta. Nesse momento, é interessante estabelecer parâmetros quantitativos sobre os impactos nos processos de trabalho a partir da aplicação da ferramenta de RPA, algo como um antes e depois.

  1. Escolha de um fornecedor

A escolha do fornecedor de RPA deve ser pautada pelas demandas identificadas na primeira etapa. Com isso, você pode ranquear as empresas segundo o atendimento das soluções que você precisará implementar em seu negócio.

Outros aspectos como credibilidade no mercado da empresa e experiência de outros clientes também devem ser observados. Afinal, existe uma distância entre prometer um pacote de serviços e efetivamente colocar um programa de ações em prática de forma satisfatória.

  1. Implementação do piloto

Todo projeto de RPA deve ser antecedido de um piloto, de modo a se identificar e posteriormente reparar eventuais inconsistências na ferramenta desenvolvida. Nesse momento, o fornecedor deve dar ampla abertura para compreender qual foi a percepção de sua equipe em relação ao sistema, com o intuito de entregar o melhor resultado possível quando da finalização do projeto.

  1. Gerenciamento do sistema

É chegada a hora de colocar sua ferramenta em RPA para funcionar. Seus desafios nesta etapa passam por:

  • estabelecer um modelo de governança;
  • criar um modelo operacional pensando na estrutura organizacional de sua empresa;
  • gerenciar as mudanças de sua solução em RPA.

Em sua relação com o desenvolvedor do sistema, é sempre importante pautar a necessidade de manutenção proativa da ferramenta. Lembre-se que os primeiros meses serão de adaptação e, naturalmente, dúvidas e problemas surgirão ao longo do caminho.

Depois de conhecer o que é RPA, gostaríamos de saber qual sua opinião sobre a aplicação dessa ferramenta. Registre suas impressões nos comentários!

2019-01-15T12:17:32-03:00