Saiba tudo sobre a importância da contabilidade para empresas de TI

As empresas de Tecnologia da Informação (TI) estão no epicentro de nossa era digital. Seja no desenvolvimento de software, na prestação de serviços de consultoria em TI ou na gestão de infraestrutura tecnológica, essas empresas desempenham um papel crucial em nossas vidas cotidianas. Mas, em meio à inovação constante e à transformação digital, há um elemento muitas vezes negligenciado: a contabilidade. Neste artigo, vamos explorar a importância da contabilidade para empresas de TI e por que ela é essencial para o sucesso a longo prazo.

1 – Tomada de decisão estratégica

A contabilidade é muito mais do que apenas lidar com números e cumprir obrigações fiscais. Ela oferece insights valiosos sobre o desempenho financeiro da sua empresa. Com dados precisos e relatórios financeiros, você pode tomar decisões estratégicas informadas. Isso é especialmente crucial no setor de TI, onde a competição é acirrada, e a inovação é constante.

2 – Gerenciamento de custos

Em um ambiente de negócios altamente dinâmico como a TI, o controle de custos é fundamental. A contabilidade ajuda a rastrear e gerenciar despesas, identificando onde os recursos estão sendo usados de maneira eficaz e onde há espaço para otimização. Isso pode resultar em economias significativas a longo prazo.

3 – Previsão financeira

Para empresas de TI que buscam crescer e expandir suas operações, a previsão financeira é essencial. A contabilidade fornece as ferramentas para criar modelos financeiros que permitem prever o desempenho futuro, identificar necessidades de financiamento e planejar estrategicamente o crescimento da empresa.

4 – Cumprimento fiscal

A contabilidade garante que sua empresa cumpra todas as obrigações fiscais e regulatórias. Em um setor onde as regulamentações fiscais podem ser complexas e sujeitas a mudanças, a expertise de um contador é inestimável para evitar penalidades e problemas legais.

5 – Investimento e captação de recursos

Se sua empresa de TI planeja buscar investidores ou empréstimos, a contabilidade é fundamental para apresentar um histórico financeiro sólido. Investidores e credores desejam ver evidências de gestão financeira responsável e crescimento consistente. Ter registros financeiros precisos e relatórios claros é essencial para atrair financiamento externo.

[Artigo]: Descubra qual o melhor regime tributário para empresas de TI

Alternativas de regimes tributários nos impostos de empresas de TI

A escolha adequada do regime tributário faz toda a diferença sobre o valor que deve ser recolhido com os tributos.

Então para que você acerte na opção pelo regime tributário, vamos entender o funcionamento do Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional.

Lucro real dentro dos impostos de empresas de TI

O Lucro Real é o regime tributário que realiza a apuração dos tributos com base no faturamento mensal ou trimestral da empresa e incide apenas sobre o seu lucro efetivo.

Sendo assim, estão obrigadas a optar por esse regime as empresas com faturamento superior a R$ 78 milhões no período de apuração, mas as demais organizações também podem escolher esse regime tributário quando for conveniente.

[Artigo]: Como calcular o Lucro Real

Imposto de renda da pessoa jurídica (IRPJ):

As empresas no Lucro Real estão sujeitas a uma alíquota de IRPJ que varia de 15% a 25% sobre o lucro tributável. Esse imposto é calculado a partir do lucro contábil da empresa, com ajustes fiscais.

Contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL):

A CSLL é um tributo que incide sobre o lucro líquido da empresa e varia geralmente de 9% a 12%. Assim como o IRPJ, a base de cálculo da CSLL é o lucro real da empresa.

PIS (programa de integração social) e COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social):

As empresas no Lucro Real também devem calcular o PIS e a COFINS com base no regime não cumulativo. Isso significa que esses tributos são calculados sobre a receita bruta, com a possibilidade de descontar créditos relacionados a despesas e custos.

Contribuição para o PIS/PASEP e COFINS importação:

Quando a empresa realiza importações, ela também deve pagar a Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e a COFINS-Importação sobre o valor das importações. Esses tributos são apurados separadamente.

Contribuição previdenciária sobre a receita bruta (CPRB):

Para algumas empresas, principalmente aquelas que atuam em setores específicos, como a construção civil, a contribuição previdenciária sobre a receita bruta pode ser uma alternativa à contribuição patronal sobre a folha de pagamento.

IRRF (imposto de renda retido na fonte):

Quando a empresa efetua pagamentos a terceiros, como prestadores de serviços ou fornecedores, ela pode ser obrigada a reter e recolher o Imposto de Renda Retido na Fonte sobre esses pagamentos, caso haja obrigatoriedade legal.

ISS (imposto sobre serviços):

Embora o ISS seja um tributo municipal, empresas que prestam serviços estão sujeitas a esse imposto. A alíquota e a forma de apuração podem variar de acordo com a legislação do município onde a empresa está registrada.

[Artigo]: Assessoria contábil especializada para empresas de TI

Lucro Presumido dentro dos impostos de empresas de TI

O Lucro Presumido é um regime tributário simplificado para determinar a base de cálculo do IRPJ e CSLL. Sendo assim, em vez de considerar o lucro real obtido, é realizada uma presunção com base nas receitas tributáveis auferidas em anos-calendários anteriores.

Então, todas as empresas que faturam menos de R$ 78 milhões no período de apuração e não estão obrigadas a optar pelo Lucro Real podem fazer a opção pelo Lucro Presumido.

Planilha de Cálculo

Lucro Presumido

BAIXE GRÁTIS

Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ):

As empresas no Lucro Presumido são tributadas com alíquotas que variam de 1,6% a 4% sobre a receita bruta, dependendo da atividade da empresa. Essa alíquota é aplicada sobre a margem de lucro presumida, que varia conforme o setor.

Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL):

A CSLL é calculada com alíquotas que variam de 12% a 32%, também sobre a margem de lucro presumida da empresa, dependendo da atividade.

PIS (Programa de Integração Social) e COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social)

No Lucro Presumido, o PIS e a COFINS são apurados com base na receita bruta, sem a possibilidade de descontar créditos, como no regime não cumulativo.

ISS (Imposto Sobre Serviços):

Empresas prestadoras de serviços estão sujeitas ao ISS, que é um imposto municipal. A alíquota e a forma de apuração variam de acordo com a legislação do município onde a empresa está localizada.

ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços):

O ICMS é um imposto estadual que incide sobre a circulação de mercadorias e serviços. Empresas que realizam operações sujeitas ao ICMS devem calcular e recolher esse imposto, seguindo as alíquotas e regras do estado em que estão registradas.

[Artigo]: Contabilidade para empresas de TI entenda a importância da assessoria profissional

Simples Nacional dentro dos impostos de empresas de TI

O Simples Nacional é um regime tributário simplificado para o recolhimento dos impostos de empresas de TI. Sendo assim, todos os tributos são recolhidos em uma única guia de pagamento – gerando então praticidade para o empreendedor.

Entretanto, apesar de ter o objetivo de diminuir os custos tributários, nem sempre o Simples Nacional é a melhor alternativa para uma empresa de TI. É então fundamental realizar um bom estudo comparativo antes de fazer a opção por um regime tributário.

PLANILHA

CÁLCULO DE TRIBUTOS DO SIMPLES

BAIXE GRÁTIS

A apuração através do Simples Nacional varia de acordo com as atividades desenvolvidas pela empresa e da receita bruta do período. Sendo assim para as empresas de TI, é preciso acompanhar as informações do Anexo I, Anexo III e Anexo V.

Anexo I

O Anexo I é destinado às atividades de comércio – que estão entre as atividades que podem ser desenvolvidas por uma empresa de TI. De acordo com a tabela do Simples Nacional, alíquota pode variar entre 4% e 19%:

Receita bruta em 12 meses Alíquota Dedução do valor a ser recolhido
Até R$ 180.000,00 4,00% 0
De R$ 180.000,01 a R$ 360.000,00 7,30% R$ 5.940,00
De R$ 360.000,01 a R$ 720.000,00 9,50% R$ 13.860,00
De R$ 720.000,01 a R$ 1.800.000,00 10,70% R$ 22.500,00
De R$ 1.800.000,01 a R$ 3.600.000,00 14,30% R$ 87.300,00
De R$ 3.600.000,01 a R$ 4.800.000,00 19,00% R$ 378.000,00
Anexo III

O Anexo III reúne as atividades relacionadas a empresas de serviços de instalação, reparos e manutenção. Para fins de empresas de TI, existem quatro atividades que se destacam:

  • Tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem na internet (CNAE 6311-9/00);
  • Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet (CNAE 6319-4/00);
  • Treinamento em desenvolvimento profissional e gerencial (CNAE 8599-6/04);
  • Suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação (CNAE 6209-1/00).

Para essas atividades, a alíquota que incide sobre a receita bruta varia entre 6% e 33%:

Receita bruta em 12 meses Alíquota Dedução do valor a ser recolhido
Até R$ 180.000,00 6,00% 0
De R$ 180.000,01 a R$ 360.000,00 11,20% R$ 9.360,00
De R$ 360.000,01 a R$ 720.000,00 13,50% R$ 17.640,00
De R$ 720.000,01 a R$ 1.800.000,00 16,00% R$ 35.640,00
De R$ 1.800.000,01 a R$ 3.600.000,00 21,00% R$ 125.640,00
De R$ 3.600.000,01 a R$ 4.800.000,00 33,00% R$ 648.000,00
Anexo V

O Anexo V do Simples Nacional também é relevante para o estudo sobre os impostos de empresas de TI. Entre as atividades que estão inclusas nesse Anexo estão por exemplo:

  • Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador não-customizáveis (CNAE 6203-1/00);
  • Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis (CNAE 6202-3/00);
  • Web design (CNAE 6201-5/02).

Assim, as alíquotas para essas atividades variam entre 15,5% e 30,5%:

Receita bruta em 12 meses Alíquota Dedução do valor a ser recolhido
Até R$ 180.000,00 15,50% 0
De R$ 180.000,01 a R$ 360.000,00 18,00% R$ 4.500,00
De R$ 360.000,01 a R$ 720.000,00 19,50% R$ 9.900,00
De R$ 720.000,01 a R$ 1.800.000,00 20,50% R$ 17.100,00
De R$ 1.800.000,01 a R$ 3.600.000,00 23,00% R$ 62.100,00
De R$ 3.600.000,01 a R$ 4.800.000,00 30,50% R$ 540.000,00

Para saber se sua empresa de TI se enquadra no anexo III ou V, deve-se aplicar o Fator R, que é a proporção da folha de pagamento sobre a Receita Bruta. Negócios cuja folha de pessoal ultrapassem 28% do faturamento ficam atrelados ao anexo III.

Por sua vez, empresas cuja proporção desse gasto com pessoal seja inferior a 28% serão tributadas pelo anexo V.

[Artigo]: Veja como funciona o planejamento tributário para empresas de TI

Conflitos de competência tributária dos impostos de empresas de TI

Um dos principais conflitos de competência tributária em se tratando de impostos de empresas de TI diz respeito a aplicação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias – ICMS e do Imposto sobre Serviços – ISS.

[Artigo]: O que é ICMS

Nesse sentido, há uma indefinição se o software seria uma mercadoria em circulação ou um serviço prestado. Em muitos casos, tal confusão leva a incidência simultânea dos dois tributos, o que é um grande equívoco do ponto de vista de tributário, pois se trata de bitributação.

Na tentativa de disciplinar tal questão, vários tribunais já se manifestaram e há algumas normatizações a esse respeito, o que de alguma maneira estabelece uma jurisprudência que pode ser mobilizada no âmbito do sistema de justiça.

A Lei Complementar nº 116, de 2003, por exemplo, prevê a cobrança de ISS quando da cessão e licenciamento de software. No entanto, em dezembro de 2015, o Conselho Monetário de Política Fazendária – CONFAZ, vinculado ao Ministério da Fazenda, por meio do Convênio 181/2015 estabeleceu novas regras de tributação para o setor que preveem a incidência de ICMS sobre algumas operações.

A importância do convênio ICMS 181/2015

O Convênio ICMS 181/2015, promovido pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), é uma tentativa de abordar essas questões complexas. Este convênio estabelece regras para a resolução de conflitos de competência envolvendo o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas operações interestaduais que destinem bens e serviços ao consumidor final não contribuinte do ICMS.

Alguns pontos-chave do Convênio ICMS 181/2015 incluem:

  1. Definição de contribuinte do ICMS: O convênio estabelece critérios claros para determinar se uma empresa é ou não contribuinte do ICMS.
  2. Alíquota interestadual e diferencial de alíquota: O convênio define como as alíquotas devem ser aplicadas nas operações interestaduais.
  3. Recolhimento do diferencial de alíquota: Estabelece como o diferencial de alíquota deve ser recolhido em operações interestaduais envolvendo consumidores finais não contribuintes do ICMS.

[Artigo]: 05 Boas práticas contábeis para empresas de TI

Estratégias para lidar com conflitos de competência

Como as empresas de TI podem enfrentar os conflitos de competência tributária e se adaptar às mudanças trazidas pelo Convênio ICMS 181/2015?

  1. Avaliação e planejamento: Compreender a complexidade dos conflitos e as regras do Convênio ICMS 181/2015 é fundamental para o planejamento tributário eficaz.
  2. Consultoria especializada: Profissionais de contabilidade e direito tributário podem fornecer orientações valiosas para lidar com questões fiscais complexas.
  3. Monitoramento constante: A legislação fiscal está sempre mudando. As empresas devem ficar atualizadas com as mudanças para garantir a conformidade.
  4. Negociação com autoridades fiscais: Em alguns casos, é possível negociar com autoridades fiscais para evitar litígios onerosos.

[Artigo]: A auditoria contábil em empresas de TI aprenda a se previnir de fraudes e erros

Quais as implicações do convênio ICMS 181/2015 da CONFAZ?

Anteriormente falamos da polêmica publicação do Convênio 181/2015 pela CONFAZ. Entretanto, o fato é que muito antes dessa resolução, alguns estados já vinham aplicando ICMS sobre a comercialização de softwares. Sendo assim, em alguns casos, as alíquotas chegavam a até 18%.

Sendo assim, com a publicação do convênio, convencionou-se uma alíquota mínima de 5% de ICMS, o que para alguns setores do mercado de softwares representou um alívio, dado a grande variação observado entre os entes da federação. Veja o que diz o texto resolução:

Cláusula primeira:

Ficam os Estados do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, , Santa Catarina, São Paulo, Tocantins autorizados a conceder redução na base de cálculo do ICMS, de forma que a carga tributária corresponda ao percentual de, no mínimo, 5% (cinco por cento) do valor da operação, relativo às operações com softwares, programas, jogos eletrônicos, aplicativos, arquivos eletrônicos e congêneres, padronizados, ainda que sejam ou possam ser adaptados, disponibilizados por qualquer meio, inclusive nas operações efetuadas por meio da transferência eletrônica de dados.

Cláusula segunda

O benefício previsto neste convênio será utilizado opcionalmente pelo contribuinte em substituição à sistemática normal de tributação, sendo vedada à apropriação de quaisquer outros créditos ou benefícios fiscais.

Cláusula terceira:

Ficam as unidades federadas referidas na cláusula primeira autorizadas a não exigir, total ou parcialmente, os débitos fiscais do ICMS, lançados ou não, inclusive juros e multas, relacionados com as operações previstas na cláusula primeira, ocorridas até a data de início da vigência deste convênio.

Parágrafo único. A não exigência de que trata esta cláusula:

I – não autoriza a restituição ou compensação de importâncias já pagas;

II – observará as condições estabelecidas na legislação estadual.

Perceba que a grande maioria dos estados, totalizando 19, são signatários do convênio, o que confere um caráter de uniformidade nacional a tributação. Também é importante destacar que a alíquota de 5% não se refere a um “teto” e, sim, a um “piso”.

Ao mesmo tempo, podemos observar, na prática, que todos os estados listados na resolução não têm aplicado alíquotas superiores a 5%, numa espécie de acordo informal firmado junto a União.

[Artigo]: Profissional de TI pode ser MEI?

Como avaliar cada caso de imposto de empresas de TI que incide sobre software?

Portanto, como você deve ter percebido, avaliar os impostos de empresas de TI não é tarefa fácil, dada a falta de qualificação jurídica deste segmento. Assim, de modo a facilitar a vida do empreendedor que busca compreender o que é devido em tributos na comercialização desse tipo de serviço/produto, organizamos os softwares em 6 categorias de tributação. Então acompanhe a listagem a seguir:

1. Software de prateleira

Qualificação: Assim, o software de prateleira é considerado uma mercadoria.

Então, impostos que incidem sobre esse produto:

  • ICMS: 5%
  • PIS não cumulativo (Lucro real): 1,65%
  • COFINS não cumulativo (Lucro real): 7,60%
  • PIS cumulativo (Lucro presumido): 0,65%
  • COFINS cumulativo (Lucro presumido): 3%
  • IRPJ*: 15%
  • Adicional IR*: 10%
  • CSLL*: 9%

 2. Software customizável

Qualificação: Assim, o software customizável é considerado um serviço.

Então, impostos que incidem sobre esse serviço:

  • ISS: 2,90%
  • PIS cumulativo: 0,65%
  • CONFINS cumulativo: 3%
  • IRPJ*: 15%
  • Adicional IR*: 10%
  • CSLL*: 9%

3. Software por encomenda

Qualificação: assim, a venda de software por encomenda é considerada uma prestação de serviço.

Então, impostos que incidem sobre o software por encomenda:

  • ISS: 2,90%
  • PIS cumulativo: 0,65%
  • COFINS cumulativo: 3%
  • IRPJ*: 15%
  • Adicional IR*: 10%
  • CSLL*: 9%

4. Software de prateleira importado

Qualificação: Assim, o software de prateleira importado é considerado um produto.

Então impostos que incidem sobre a venda:

  • ICMS: 5%
  • PIS não cumulativo (Lucro Real): 1,65%
  • COFINS não cumulativo (Lucro Real): 7,60%
  • PIS cumulativo (Lucro Presumido): 0,65%
  • COFINS cumulativo (Lucro Presumido): 3%
  • IRPJ*: 15%
  • Adicional IR*: 10%
  • CSLL*: 9%

5. Software customizável importado

Qualificação: assim, as operações que envolvem software customizável importado são consideradas como prestações de serviço.

Então, impostos que incidem sobre a operação:

  • ISS: 2,90%
  • PIS não cumulativo (Lucro real): 1,65%
  • COFINS não cumulativo (Lucro real): 7,60%
  • PIS cumulativo (Lucro Presumido): 0,65%
  • COFINS cumulativo (Lucro Presumido): 3%
  • IRPJ*: 15%
  • Adicional IR*: 10%
  • CSLL*: 9%

Auditoria contábil em empresas de TI

Na era digital, as empresas de Tecnologia da Informação (TI) são os arquitetos do nosso mundo interconectado. Mas, por trás de toda inovação e transformação digital, existe uma necessidade igualmente importante: entender e gerenciar as finanças com sabedoria. É aí que entra a auditoria contábil em empresas de TI.

Imagine a auditoria contábil como um exame de saúde para sua empresa. Assim como você faria um check-up regular para garantir que seu corpo esteja em plena forma, as empresas de TI realizam auditorias contábeis para garantir que suas finanças estejam em ordem.

Mas, o que, exatamente, é a auditoria contábil em empresas de TI e por que ela é tão crucial? Vamos explorar essa jornada financeira e desvendar o papel vital da auditoria contábil em um dos setores mais dinâmicos do mercado.

[Artigo]: 5 maiores erros de gestão de empresas de TI

A Profundidade da Auditoria Contábil em Empresas de TI

Em um cenário de constante evolução e inovação, as empresas de Tecnologia da Informação (TI) desempenham um papel crucial na transformação digital do mundo. No entanto, por trás de toda essa inovação, há a necessidade fundamental de garantir que a saúde financeira dessas empresas seja sólida e que elas cumpram todas as obrigações fiscais e regulamentações. É aí que entra a auditoria contábil em empresas de TI.

Análise de receitas e despesas

Uma das áreas centrais da auditoria contábil é a análise detalhada das receitas e despesas da empresa de TI Isso envolve uma verificação minuciosa das transações financeiras, incluindo:

  • Vendas: A auditoria verifica a precisão do registro de vendas, garantindo que todas as receitas sejam devidamente registradas.
  • Despesas: Da mesma forma, as despesas são minuciosamente examinadas para garantir que todas as saídas de dinheiro estejam registradas de maneira adequada.
  • Investimentos: Investimentos em ativos, projetos e aquisições são avaliados para garantir que todas as alocações de recursos estejam alinhadas com a estratégia financeira da empresa.
  • Receitas: A auditoria também verifica a precisão dos registros de receitas, incluindo fontes de receita diversificadas, como contratos de serviço, licenças de software e muito mais.

[Artigo]: Empresas de Ti entenda os sinais de que é hora de trocar de contador

Avaliação de ativos intangíveis

Ativos intangíveis desempenham um papel significativo nas empresas de TI. Muitas vezes, uma parcela substancial do valor de uma empresa de TI está vinculada à propriedade intelectual, patentes, marcas registradas e outros ativos não físicos. A auditoria contábil entra em ação aqui:

  • Precisão do Registro: A auditoria verifica se todos os ativos intangíveis estão registrados com precisão e se seu valor é adequadamente refletido nas demonstrações financeiras.
  • Avaliação de Valor: Os auditores avaliam o valor desses ativos, o que é crucial para decisões estratégicas, como fusões e aquisições.

Conformidade fiscal

Empresas de TI muitas vezes enfrentam desafios fiscais complexos, incluindo impostos globais, tratados fiscais internacionais e regulamentações em constante mudança. A auditoria contábil garante que a empresa esteja em conformidade com todas as obrigações fiscais:

  • Revisão Fiscal: Os auditores examinam todos os aspectos da conformidade fiscal, desde o pagamento oportuno de impostos até a aplicação adequada de deduções fiscais.
  • Estratégias Fiscais: A auditoria também pode ajudar a identificar oportunidades para otimização fiscal, minimizando a carga tributária.

Gestão de riscos cibernéticos

Em um mundo cada vez mais digital, os riscos cibernéticos são uma preocupação crescente. A auditoria contábil também desempenha um papel na avaliação da eficácia das medidas de segurança financeira:

  • Segurança Financeira: A auditoria verifica se a empresa possui medidas adequadas de segurança cibernética para proteger seus ativos financeiros e informações confidenciais.
  • Gestão de Riscos: A identificação e a gestão de riscos cibernéticos são uma parte essencial da auditoria contábil em empresas de T.I.

Descubra quais são as duas principais falhas contábeis que podem prejudicar uma empresa de TI

As empresas de Tecnologia da Informação (TI) são conhecidas por seu dinamismo e inovação, mas, quando se trata de gestão contábil, também enfrentam desafios únicos. Erros contábeis podem ter sérias repercussões, desde multas fiscais até problemas legais. Neste artigo, exploraremos os dois piores erros contábeis que uma empresa de TI pode cometer e como evitá-los.

Má gestão de receitas e despesas

A primeira armadilha contábil que muitas empresas de T.I. enfrentam é a má gestão de receitas e despesas. Devido à natureza complexa das operações de T.I., é fácil perder o controle das transações financeiras. Aqui estão alguns cenários comuns:

  • Registros de Vendas Incompletos: Não registrar todas as vendas, especialmente em contratos de serviço de longo prazo, pode resultar em uma subestimação das receitas.
  • Despesas Não Documentadas: Esquecer de documentar despesas pode levar a deduções fiscais perdidas e a uma visão imprecisa dos custos operacionais.
  • Gestão Ineficaz de Fluxo de Caixa: A falta de acompanhamento adequado do fluxo de caixa pode levar a problemas de liquidez e comprometer a capacidade de pagamento de contas.

Como Evitar: A solução para esse erro é implementar um sistema de contabilidade robusto e utilizar software de gestão financeira. Manter registros detalhados de todas as transações, conciliar regularmente contas e garantir que todas as despesas sejam documentadas.

[Artigo]: Gestão de pessoas saiba tirar o máximo da equipe de TI

Falha na conformidade fiscal

As empresas de TI frequentemente enfrentam desafios fiscais complexos, incluindo impostos globais e tratados fiscais internacionais. A falha na conformidade fiscal é um dos piores erros que uma empresa de TI pode cometer:

  • Declarações Fiscais Incorretas: Erros nas declarações fiscais, como o não cumprimento de obrigações fiscais específicas do setor, podem resultar em multas e penalidades substanciais.
  • Não Aproveitar Benefícios Fiscais: Não aproveitar deduções fiscais e incentivos fiscais disponíveis para o setor de T.I. pode levar a uma carga tributária mais pesada do que o necessário.
  • Não Acompanhar Alterações Regulatórias: A área fiscal é dinâmica, com regulamentações frequentemente em mudança. A não conformidade com as regulamentações fiscais em constante evolução pode ser prejudicial.

[Artigo]: As melhores ferramentas de controle de tarefas para empresas de TI

Aqui estão as questões mais comuns feitas por empresas de TI

Conformidade fiscal e tributos:

1 – Quais obrigações fiscais uma empresa de TI deve cumprir no Brasil?

As obrigações incluem o pagamento de impostos como IRPJ, CSLL, PIS, COFINS e ISS.

2 – Quais são as regras fiscais para a retenção na fonte em contratos de TI?

As regras variam, mas é importante reter impostos de renda e contribuições sociais sobre serviços prestados.

3 – Como posso otimizar o planejamento tributário da minha empresa de TI?

Um contador especializado pode ajudar a identificar estratégias legais para reduzir a carga tributária.

4 – Quais são os incentivos fiscais disponíveis para empresas de TI?

Alguns estados oferecem benefícios fiscais para atrair empresas de tecnologia, como isenções de ICMS.

5 – Como preparar minha empresa para auditorias fiscais?

Mantenha registros precisos, cumpra todas as obrigações fiscais e conte com um contador experiente.

Contabilidade e finanças:

1 – Qual a importância de uma contabilidade especializada para empresas de TI?

Contadores especializados entendem as nuances do setor e podem otimizar as finanças da empresa.

2 – Quais indicadores financeiros devo monitorar em minha empresa de TI?

Lucratividade, margens de lucro, gastos com pessoal e receita recorrente são importantes.

3 – Como elaborar um planejamento financeiro eficaz?

Analise projeções de fluxo de caixa, identifique custos fixos e variáveis e estabeleça metas financeiras claras.

4 – Qual a melhor forma de lidar com a gestão de despesas e receitas?

Automatize processos, mantenha controle rigoroso sobre despesas e busque eficiência.

5 – Como garantir a conformidade nas normas contábeis aplicáveis a empresas de TI?

Contrate um contador experiente e mantenha-se atualizado com as normas contábeis.

Abertura e registros empresariais:

1 – Quais são os passos essenciais para abrir uma empresa de TI no Brasil?

Defina o tipo de empresa, obtenha um CNPJ, registre-se na Junta Comercial e obtenha um alvará de funcionamento.

2 – Qual o tipo de empresa mais adequado para uma startup de TI?

O tipo de empresa (MEI, EIRELI, LTDA) depende do tamanho e da estrutura da startup.

3 – Como registrar uma marca ou propriedade intelectual?

Procure o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) para o registro de marcas e patentes.

4 – Quais documentos são necessários para abrir um CNPJ?

Documentos pessoais dos sócios, contrato social, comprovante de endereço e outros documentos específicos.

5 – Como escolher o regime tributário mais adequado para minha empresa de TI?

Consulte um contador para avaliar as opções e escolher entre Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real.

Contratos e acordos:

1 – Quais cláusulas são essenciais em contratos de prestação de serviços de TI?

Defina escopo, prazos, valores e garantias, além de cláusulas de confidencialidade e propriedade intelectual.

2 – Como elaborar contratos de licença de software?

Especifique direitos, restrições, termos de pagamento e suporte, garantindo proteção legal.

3 – Que precauções tomar ao terceirizar serviços de TI?

Escolha parceiros confiáveis, defina SLAs (Acordos de Nível de Serviço) claros e inclua cláusulas de confidencialidade.

4 – Como resolver disputas contratuais em acordos de TI?

Estabeleça procedimentos de mediação ou arbitragem, e inclua cláusulas de resolução de conflitos.

5 – Como garantir a segurança dos contratos de TI em relação à propriedade intelectual?

Inclua cláusulas de transferência de direitos de propriedade intelectual e confidencialidade.

Essas perguntas e respostas são um guia inicial para empresas de TI em questões de conformidade fiscal, contabilidade, tributos, abertura de CNPJ e contratos. Lembre-se de que a consultoria de um contador especializado é fundamental para situações específicas.

Estratégias de planejamento financeiro para empresas de TI

Empresas de TI enfrentam desafios únicos em um ambiente dinâmico e competitivo. A modelagem financeira oferece uma visão estratégica que auxilia na tomada de decisões informadas. Desde projeções de receitas até análises de custos, a modelagem financeira permite uma compreensão abrangente das finanças empresariais.

[Saiba mais]: Estratégias de planejamento financeiro para empresas de TI 

Se precisar contar com uma assessoria contábil experiente, capaz de fornecer as melhores estratégias para sua empresa melhorar a performance financeira, conheça agora as soluções da CLM Controller.

Planilha

Fluxo De Caixa

BAIXE GRÁTIS

Faça um Upgrade Financeiro:

Fale com a gente!

WHATSAPP CHAT

2 thoughts on “Saiba tudo sobre a importância da contabilidade para empresas de TI

  1. Marcelo De Zan disse:

    Eu gostaria de uma planilha para calcular efetivamente o ganho que uma empresa tem em alugar softwares e equipamentos de TI de acordo com o regime tributário.
    Para que seja possível avaliar caso a caso e comprovadamente mostrar para a empresa se vale a pena a compra do equipamento/software (solução) ou o aluguel.
    Tendo em mente que no lucro real é bem vantajoso. mas também gostaria de algo que posse possível avaliar empresas de lucro presumido.
    Seria possível vocês elaborarem uma planilha destas? qual o custo?

    • Rodrigo Ribeiro disse:

      Olá Marcelo tudo bem?

      Realmente para empresas do Lucro Real, o processo ganha ainda a vantagem da dedução do IR e CSLL.

      Anotei a sugestão para criar uma planilha.

      Abs,

      Rodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 1 =

Ao continuar, você concorda que este site usa cookies apenas para fins estatísticos e funções que aprimoram sua navegação, sem rastreamento pessoal.